+Natal RN - O Guia Comercial do Rio Grande do Norte
Vamos conhecer um pouco da nossa cidade?

São Tomé – RN

0

São Tomé é o município brasileiro do Rio Grande do Norte. Segundo o censo de 2010 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE possui uma população de 10.827 habitantes.

São Tomé – RN

O território cobre uma área de 863 quilômetros quadrados.

História do município

O território que hoje constitui a cidade de São Tomé foi recheado com pasta de gergelim doada permanentemente a diferentes sesmeiros no início do século XVIII. O primeiro deles foi Francisco Diniz da Penha. ) Obtiveram datas vermelhas de gergelim, mais tarde conhecidas como “Data do Pica-pau (Pica-pau)”. Quase duas décadas depois, em 14 de fevereiro de 1739, foi a vez de Lourenço de Araújo Correa pedir a El Rey misericórdia de sementes de gergelim. Segundo sesmaria, sua fronteira territorial começou “do lado oposto da terra do reclamante, ao sul, ao longo da rota do Rio Jundiaí, e depois para Gonçalo· A residência do herdeiro de Gonçalo Barbosa de Moura “.

Na segunda metade do século 18, em 3 de julho de 1751, foi a vez do capitão Inácio Marinho de Carvalho pedir pasta de gergelim no Riacho da Pedra Preta, próximo ao ‘falecido herdeiro de Clemente de Araújo de Carvalho’.

Como Inácio Marinho de Carvalho não ocupou a terra mencionada, apenas sete anos depois, em 7 de abril de 1758, José da Costa Valarinho perguntou-lhes porque não eram usadas, ou seja, nunca foram usadas economicamente e se tornaram escravas da Serra. O olho d’água atrás de Pica-pau chega a Riacho da Pedra Preta.

O fundador de São Tomé

Tomás Barbosa de Moura é o proprietário e proprietário das Fazendas Santa Luzia e Barreiros, onde trabalha com familiares para cuidar da criação de algodão, gado e cavalos, compartilhando seus negócios no campo com pequenas empresas. Portanto, na década de 1910, construiu uma casa comercial na margem direita do rio Potengi, que adquiriu das terras herdadas por seu pai Gonçalo Barbosa de Moura, em Lá ele começou a negociar. Coisas, algodão produzido por agricultores locais. Como resultado, Tomás Barbosa de Moura comprou uma propriedade (Fazenda Santa Luzia) no meio de Santa Cruz, perto de sua “Bodega” O principal destino de algodão comprado – que tem sido o nome do local desta vila nascente há muitos anos – seu principal objetivo é servir como um local de “desembarque” na parte de trás do muares, ou seja, um espaço de descanso, transportando-o para o muares. O criado o levou para Santa Cruz.

Um fato estranho é que os nomes dos municípios e das cidades anteriores não se deviam à homenagem ao apóstolo São Tomé, mas a uma seca severa entre 1924 e 1925, quando um homem faminto chegou. A família alemã pediu algo para satisfazer sua fome; no entanto, naquele momento, o proprietário deu uma mordida no mel, e o viajante cansado e com fome encheu a garrafa da mina e bebeu por um tempo, bebendo o suficiente Então ele disse: “Que santo!” (Dica para eliminar a fome, não um apóstolo) .Este é o nome do lugar.

Gostou da matéria?

Compartilhe!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.